13.7.09

hoje só queria um esconderijo



Um porto de abrigo a salvo destes fantasmas que me perseguem, e que mais ninguém vê nem sente. Os seus toques frios percorrem-me o corpo num arrepio que nem congela o coração e faz-me não querer amar-te mais.
Esquecer-te tornaria a vida mais simples, mais fácil de viver. Seria um tempo gélido mas eu não me importaria, iria vestir camadas de roupa quentes como quem cria ilusões para dar cor a sua vida triste, eu criaria também um calor ilusório de ti.
Mas fazes questão de trazer o calor contigo e obrigas-me a despir as camadas de ilusões que criei. Tiro a fachada que usei ao longo desde anos, deixas-me sem roupa e o calor insuportável persiste e amolece-me, desfaz-me, quebra-me.
E lá aparecem os fantasmas frios, para me arrepiar. Vivo num quente-frio inconstante que nem desgasta e que me faz querer esquecer tudo.

Podia vir o tempo frio, mas eu não me ia importar.

Iria criar ... iria acomodar-me num esconderijo de ilusões, sonhos e alegrias... não terias fantasmas.

Queria um esconderijo.

1 comentário:

Gingerbread Girl disse...

Muito bonito e introspectivo... ;)

kiss*